PERDOAR AOS INIMIGOS É PEDIR PERDÃO PARA SI MESMO

O Evangelho Segundo o Espiritismo possui pérolas que, muitas vezes, nos passam despercebidas à primeira leitura.

A frase que dá título ao nosso texto é uma dessas pérolas. Ela inicia o item 15 do Capítulo X.

À primeira vista, quando o indivíduo se sente vítima de uma injustiça, a frase pode parecer não ter sentido. Não estamos acostumados a enxergar o perdão sob o ângulo da nossa própria evolução.

Na conversa com os espíritos desencarnados, geralmente, todos se sentem credores daqueles a quem obsediam. Estes, por sua vez, se apresentam como vítimas de daqueles a quem nos acostumamos chamar de obsessores. Quem tem razão?

Em geral, quando se analisa o drama, vemos que são histórias cíclicas. Os personagens, ora ferem, ora são as vítimas. O ciclo se perpetua pela ausência do perdão; pela incapacidade dos envolvidos em cessar a repetição do roteiro que acaba se traduzindo em um drama infinito.

E, onde entra a nossa parte na história?

Para perdoarmos aos outros, precisamos nos perdoar primeiro, diz o Evangelho.

Vamos entender melhor o recado: Quando nos sentimos atingidos? Quando algo nos toca e nos faz sentir vítimas de uma agressão? O que é a injustiça, afinal?

Se eu perguntar a você, querido leitor e querida leitora, o que é o “justo”, na sua opinião, tenho certeza de que cada um terá um conceito de Justiça. Alguns, entenderão que a justiça está ligada à igualdade; outros ao mérito; outros à posição social e por aí vai.

Qual seria o sentido correto de Justiça?

Para responder, mais uma vez, recorremos à Jesus que nos responde o seguinte: “com a medida que julgardes, sereis julgados”.

Pronto! Está dada a medida da Justiça divina. Cada um é julgado com a sua própria medida de Justiça. E mais: não é Deus que nos julga, mas cada um de nós é seu próprio julgador e deverá utilizar para si a mesma medida que utilizou para julgar os demais. Fácil?

Fácil para quem é flexível e não fica procurando “pelo em ovo”.  Mas é difícil para quem é rigoroso demais tanto consigo quanto com os outros.

É por isto que ao tratar do egoísmo, o mesmo Evangelho nos ensina; “a rigidez mata os bons sentimentos”(ESE Cap XI – item 12).

Os adeptos da justiça implacável também atraem para si o mesmo critério de julgamento. Não se perdoam nunca e, por isto, vivem com dificuldades para perdoar aos outros.

De novo, Jesus já tinha explicado também: não julgueis para não serdes julgados!

A prática do perdão sempre foi considerada como uma das mais desafiadoras na materialização dos ensinamentos de Jesus, justamente porque a saída não está no outro mas em nós mesmos.

GLAUCIA SAVIN

Facebooktwitterlinkedinmail

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.