Você tem medo de quê??

Perguntinha instigante, né?  Não se preocupe, todo mundo tem medo de alguma coisa…. e em certa dose é natural do ser humano sentir medo, em diversas situações. Por exemplo o instinto de conservação nos move a termos alguns medos que são úteis à manutenção da vida.

Mas vamos conversar aqui sobre um medo que talvez muitos de nós tenhamos: o medo da solidão.

É fato que não nascemos pra vivermos sós neste mundo. Segundo o psicólogo norte-americano Abraham H. Maslow, aquele que criou o conceito da pirâmide das 5 principais necessidades humanas, o ser humano tem a necessidade psicológica de se relacionar com outras pessoas (familiares, companheiro(a), grupos sociais etc.), criar laços, se sentir pertencente.  Outra necessidade se refere a conseguir sentir-se bem consigo mesmo e sentir-se valorizado pelos outros. Se refletirmos um pouco, é possível associar o medo da solidão com a necessidade de pertencimento a um grupo e reconhecimento do próprio valor.

Esse sentimento pode variar de intensidade de pessoa pra pessoa. Vale considerar que nossos medos podem ser decorrentes de experiências vividas e sofridas nesta ou noutras encarnações. Às vezes passamos por experiências tão dolorosas que aquilo fica guardado na nossa memória como uma verdade absoluta, e nem sempre estamos “certos”.  Por exemplo, uma pessoa pode ter morrido triste e solitária em um outra vida, e carrega um temor de passar por isso de novo.

Quando reflito em tudo isso, percebo a grande sacada do preceito “conhece-te a ti mesmo” – inscrição que se via na entrada do Oráculo de Delfos e normalmente atribuída ao filósofo grego Sócrates (479-399 a.C) – e que Santo Agostinho tão sabiamente resgata na sua resposta à pergunta 919 do Livro dos Espíritos (Kardec). Ele afirma que “o conhecimento de si mesmo é a chave do melhoramento individual” e consequentemente pode favorecer o sentimento de plenitude e felicidade.

Durante um bom tempo da minha vida eu não entendia a amplitude desse ensinamento… Eu me perguntava: – como é que se consegue ser mais feliz, por se conhecer melhor?

Pensando e repensando, vivendo, caindo e me levantando, percebi que se você começa a buscar se conhecer melhor, quer seja através de reflexões, terapia, meditação etc., pode passar a perceber e distinguir melhor seus pontos fracos e fortes. É obvio que para muitos de nós não é fácil enxergar os próprios defeitos ou enfrentar seus medos e inseguranças. O psicanalista francês Jacques Lacan afirmou que “cada um alcança a verdade que é capaz de suportar” … Mas quando a gente tem uma certa dose de humildade e coragem pra admitir as próprias limitações, sem julgamentos depreciativos, já é um primeiro e importante passo pra amadurecer e evoluir.

Se utilizar de dados de realidade para se autoavaliar também pode ajudar a concluir que muitos dos nossos medos talvez não sejam reais e sim desafios de autoconhecimento e libertação. E quando uma pessoa trabalha o autoconhecimento (se bem direcionado, sem culpas ou julgamentos), de alguma forma isso pode ajudar a melhorar a autoestima.

Quando se começa a perceber que você pode ser você mesmo, com qualidades e defeitos, e que não existe ninguém perfeito neste mundo, uma sensação de leveza pode invadir o seu íntimo e abrir espaço pra você aprender a se gostar mais. Então deixo aqui uma afirmação (minha) se isso faz ou não sentido pra você:  – Quem tem medo da solidão e passa a trabalhar a autoestima, pode reduzir consideravelmente esse medo….

Para concluir, vamos lembrar que ninguém está 100% sozinho na vida. A espiritualidade sempre se coloca à disposição para nos acolher e ajudar. Façamos então tudo o que está ao nosso alcance e entreguemos para a espiritualidade aquilo que não temos controle, com a confiança de que a sabedoria divina permeia tudo e todos.

Me despeço aqui com uma frase que eu gosto muito, do psiquiatra e psicoterapeuta Carl Gustav Jung, que diz assim: “Quem olha para fora sonha, quem olha para dentro desperta”.

Muita paz, luz e harmonia!

SORAIA DE OLIVEIRA GATTO

Referências:

Maslow, Abraham Harold. Motivação & Personalidade

Kardec, Allan. Livro dos Espíritos

Lacan, Jacques Marie Émile. Frases

Facebooktwitterlinkedinmail

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.